Traduza para o seu idioma

sábado, 9 de abril de 2011

Ambiguidade


Por vezes sinto-me presa a um mundo que não é meu. Já alguma vez sentiram os sonhos a voar pela janela a 100km/hora? Pois, foi isso que constatei hoje. Eu entendo que os meus sonhos podem não ser os mesmos da pessoa que está ao meu lado. Mas não é fácil compreender o facto de que, por vezes, não fazemos parte dos sonhos de alguém que queremos bem. No entanto tenho de aceitar esse facto e lutar de alguma maneira, mesmo que lute na direcção contrária a tudo aquilo que o meu coração sente. Na vida tudo se representa. Posso ser uma senhora respeitada da alta sociedade, posso ser uma velhinha queixosa, posso ser culta, posso ser ignorante, posso ser útil, posso não servir para nada, posso mudar o mundo, posso deixar-me mudar pelo mundo, Posso ser alguém ou não ser ninguém. Tudo depende de mim. Quero dizer, na realidade isso é o que deveria ser. Mas não. Nem tudo depende de mim. Quase tudo depende de factores extrínsecos, por vezes longe da minha imaginação. Já repararam que constantemente temos de agradar a alguém para sermos aceites nesta sociedade? Ou agradar à família, ou agradar ao namorado, ou ao marido, ou aos filhos, ou aos amigos…Em todos os momentos da vida temos de tentar agradar a alguém para termos importância. Que absurdo! No entanto, a vida é um jogo. E todo o jogo tem regras difíceis de cumprir. Eu na realidade não sou mulher de estereótipos. Posso dizer que sou o tipo de pessoa que foge à regra para conseguir ser feliz de alguma maneira. Gosto de ser quem sou. E detesto quando não posso mostrar quem sou. Adoro escrever, ler, sonhar. Olhar para a lua cheia com vontade de a trazer para junto de mim. Sei que me chamam lunática, mas eu sou mesmo assim. No fundo só quero ser feliz.

2 comentários:

Anónimo disse...

Oi miga... Já tinha saudades da tua escrita, não conheço ninguém que escreva com alma e coração como tu... as tuas palavras, não são palavras soltas, tem sentido, e tem haver com todas as pessoas... Lembras-te no 10º ou no 11º ano que eu tive que escrever uma noticia sobre uma escritora chamada Jovita Capitão, parece que tinha razão, a escrita corre-te nas veias... adoro todo o que escreves-te principalmente esta publicação....

Bezos grandes

Joana Rebelo

Jovita Capitão disse...

Obrigada pelo comentário Joaninha. É verdade. Realmente escrevo com a alma tudo aquilo que sinto, ou que vejo em meu redor. E o meu sonho de escrever é cada vez mais real!!!

Um beijinho amiga! :)

Jovita Capitão.

Arquivo do blogue