Traduza para o seu idioma

sábado, 10 de outubro de 2015

Recordações!


Tenho uma missão nesta terra.
Algo sublime quero provar.
E enquanto eu cá andar
Nada é impossível de concretizar.

Os sonhos são sempre possíveis
enquanto existe vida em nós.
Se não desistirmos, não estamos sós.

A vida abre-nos portas
para que possamos voar.
Ou aproveitamos as oportunidades
ou dificilmente elas vão voltar.

Eu sei o que quero da vida.
Embora muitas vezes ande perdida.
Faz parte do meu crescimento
interrogar-me a todo o momento.

Ter uma vida preenchida
amigos, uma família querida,
ter uma casa e uma avenida
basta isso para me sentir agradecida.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Uma tarde bem passada!


Queridos leitores e amigos da Rainha, hoje fui até ao Seixal por diversos motivos, sendo uns de carisma profissional e outros de carisma pessoal.

Deparei-me com este cenário que me deixou fascinada. Apesar de um céu carregado de nuvens, o ambiente era de uma tal tranquilidade que demorei os meus olhos sobre o rio.

Não resisti e tirei uma foto para levar comigo um pouco desta calmaria e da magia deste lugar que me acrescentou força para esta semana. 

É importante reservar algum tempo para nós mesmos com o objectivo de limparmos a nossa mente e para irmos buscar a energia que precisamos para atingir novos objectivos.

Convido-vos a visitar este lugar. Foi uma tarde bem passada!

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Impasse!

Estou num impasse
que espero que passe.
Não quero viver
na incerteza.
Num universo
de tristeza.
Mas sim de amor
e de bondade.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.


domingo, 4 de outubro de 2015

As Saudades!

Ah! Sinto saudades de tanta coisa! Por vezes fico numa melancolia de até dá dó. A vontade de chorar é inequívoca. Não há volta a dar. Os trinta anos já chegaram. Dizem que é aos trinta anos que a vida começa ( Eu ainda não vi nada). Mas também já entendi que mais de metade das coisas planeadas, não são para realizar. Muitas coisas ficaram pelo caminho antes de chegar aos 30. Que pena! Tinha tanto que fazer!

Mas, o mais interessante nesta história é que estou numa idade em que, por um lado a responsabilidade pessoal e social é maior, por outro lado ainda tenho tempo para agarrar nos projectos antigos e coloca-los em prática. Sim! A idade dos 30 não é um atestado de velhice, mas sim uma oportunidade de fazer mais coisas de forma mais inteligente. Será? Assim eu espero que seja.

Neste momento, olho para trás e vejo o tempo que perdi em coisas tão supérfulas. Também vejo que ainda vou a tempo de remediar algumas asneiras que fiz durante estes anos. Algo que nunca me arrependo é de escrever. A escrita vai estar sempre agarrada a mim e eu a ela. Somos irmãs! Não poderia ser diferente. 

Hoje, sinto saudades de tudo o que já escrevi, dos poemas, dos eventos culturais, de tudo aquilo que já fiz e pelo qual passei com a vontade de continuar. Também sinto saudades do blogue. Saudades de escrever todos os dias. Saudades de mim. Saudades de cuidar de mim de uma outra forma. As ansiedades da vida obrigam-nos ao pragmatismo. Obrigam-nos a procurar soluções diferentes daquelas que mais desejamos. Mas ainda tenho sonhos. Deveras, não vou deixar de sonhar.

Queridos leitores, hoje partilhei convosco apenas um estado da minha alma. Uma alma de trinta, que se sente com vinte e que gostaria de voltar aos 10 e fazer (quase) tudo diferente. Quero agradecer a vossa paciência com esta Rainha que ora desaparece, ora aparece apenas para poetizar, ora aparece para desabafar, com múltiplos pensamentos.

Espero que continuem desse lado! Um bem-haja a todos!

Entender a minha essência!

Não sou uma artista qualquer.
Sei ser aquilo que eu quiser.
Sou acima de tudo uma mulher
que acredita no melhor que puder.

Não sou aquilo que pensam.
Ingénua sou, mas não deixo pisar.
Se alguém me quiser maltratar
está tramado e não vou perdoar!

Não sou apenas Escritora.
Nem uma simples Poetisa amadora.
Sou mais do que aquilo que podem ver
os olhos daqueles que se querem contorcer.

Se queres saber quem eu sou
vem daí comigo agora.
Para entender a minha essência
é preciso olhar além do lado de fora.

Para me conhecer não basta querer.
É preciso aprofundar
na certeza que por prazer
faço uso da palavra amar.

Sim! Porque eu amo o que faço.
E se um dia deixo de amar.
Um simples nó desfaço
e pulo para outro lugar.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Arquivo do blogue