Sigam o meu blogue! Tenho sempre novidades!

Traduza para o seu idioma

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Sociedades Opostas - A e B

Queridos leitores e amigos da Rainha, recentemente descobri a existência de 2 tipos de sociedade. A sociedade A e a Sociedade B. Depois de explicar o que cada uma destas sociedades significa vai compreender melhor porque estou a escrever sobre este assunto.

A Sociedade A é para os madrugadores, enquanto que a Sociedade B é para os noctívagos.

Veja apenas dois exemplos:

"Acordo cedo, super bem-disposto. Preparo-me para mais um dia com um sorriso no rosto. Dou os bons-dias a toda a família e sigo para o trabalho cantarolando com toda a energia. Durante o dia sou super eficiente. Depois do almoço já preciso de um café, mas continuo a jornada bem desperto. No entanto, findo o dia, já sinto o cansaço. Bocejo várias vezes de regresso a casa. Janto cedo e sento-me a ver TV. Acabo por adormecer no sofá." - Pedro, 43 anos.

"Acordo cedo, por obrigação. De manhã, nem tenho noção daquilo que faço, pois ainda não acordei completamente. Resmungo com toda a gente e não me peçam para sorrir. Tomo o meu café alheada de tudo. A caminho do trabalho quase adormeço com os solavancos do autocarro. Que sono!!! Quem me dera voltar para a cama! Durante a manhã a produtividade é nula, a irritação é constante e a motivação não existe. Mas tenho de tentar... são só mais umas horitas. Depois do almoço vai mais um cafezinho e começo lentamente a acordar para a vida. As pessoas até estão mais interessantes! Ao fim do dia, regresso a casa com toda a energia. Faço o jantar, arrumo a casa, trato das plantas, converso com o marido até ele adormecer e ainda leio um bom livro enquanto ouço música no meu mp3. Já é tarde, mas não tenho sono." - Andreia, 32 anos.

Caro leitor, depois destes dois depoimentos já conseguiu entender qual o tipo de sociedade que corresponde a cada um? O Pedro é, sem dúvida, da sociedade A, enquanto que a Andreia tem um relógio biológico que se identifica com uma sociedade B, mesmo fazendo parte de uma sociedade maioritariamente A.

Este conceito surgiu na Dinamarca para respeitar os relógios biológicos internos de cada cidadão. Esta nova forma de pensar está a preparar a sociedade para ser mais flexível e mais produtiva. Pois, se cada pessoa respeitasse o seu próprio relógio, a motivação aumentaria e as tarefas mais difíceis seriam ultrapassadas. O sucesso daqueles que respeitam aquilo que são é visível aos olhos de todos. Infelizmente ainda não é um conceito aceite em todo o mundo. No entanto, caminhamos para a globalização desta ideia inovadora.



quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Lembranças em regresso

Vagueio por entre as margens da saudade.
Sorrio com as lembranças em regresso.
Mas sinto melancolia, ao ver passar a idade.
Que deixa as lacunas da vida a descoberto.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Procurando um editor de imagem e vídeo - Epílogo

Queridos leitores e amigos da Rainha. Como sabem, após terminar o meu curso de fotografia, senti a necessidade de aumentar a qualidade das minhas fotos, bem como melhorar os meus vídeos do you tube. Assim sendo, tenho procurado na internet a melhor alternativa. 

Existem muitos tipos de editores online. Uns são gratuitos, outros nem por isso. Os editores pagos ficam para depois, ou seja, apenas para quando eu os puder pagar. Enquanto isso concentro-me nos editores gratuitos e vou dar a minha opinião sincera a respeito de cada um.

Esta é apenas uma pequena introdução para começar a minha procura. Farei uma série de posts falando das características de cada um, até encontrar o editor ideal. No fim da procura, indico qual foi o editor escolhido pela Rainha.

Esta é uma forma de ajudar todos aqueles que tal como eu, necessitam de boas opções para editar fotos ou vídeos mas que ainda não sabem como fazer isso. Espero ter novidades em breve!

As causas da minha insónia

Queridos leitores e amigos da Rainha, quem já me conhece sabe porque criei o blogue associado a um nome incomum. Para quem não sabe, "Rainha das Insónias" foi o nome escolhido desde o início. Associei duas coisas que têm a ver comigo: A escrita e as insónias. E assim ficou. No entanto, muitas vezes surge a dúvida: Quais as causas da minha insónia? Bem, para responder a isso, necessito de vos contar algumas coisas que vocês ainda não sabem sobre mim.

Não me lembro exactamente do dia em que tive consciência disso, mas em pequena tinha uma certa tendência para ser noctívaga. Os meus pais contam-me que quando chegava a noite eu só queria ficar bem acordada. Em bebé, dormia todo o dia se fosse preciso, mas à noite queria fazer tudo. Comer, chorar, rir, dançar, brincar... enfim. Era uma criança bem difícil de lidar porque não gostava de ser contrariada. E como sou a mais nova de três irmãos, tinha todos os mimos possíveis e imaginários. Logo, dormir cedo nunca foi um hábito meu. Já um pouco crescida, era comum mandarem-me para a cama à hora em que dava o Vitinho. O Vitinho era um boneco desenho animado que aparecia na televisão depois do telejornal, para que as crianças aprendessem a ter a responsabilidade de ir para a cama cedo. Lembro-me dos meus pais dizerem: "Vitinha, já deu o Vitinho. Podes ir para a caminha!" e lá ia eu, contrariada, para o meu quarto, para com pezinhos de lã regressar à sala da TV, sem que eles dessem conta. Ficava horas ali, bem escondida. Até que um dia fui apanhada porque falei quando não devia. Foi  nessa altura que passei a ser interditada da TV a partir das 9h da noite, hora em que ia de facto para a cama, mas que, ao mesmo tempo, ficava de olhos bem abertos à espera que o dito sono aparecesse e me levasse para um lugar cor-de-rosa. Mas nada acontecia. Acabava por adormecer bem tarde, sem dar por isso. Acordando pouco depois com o barulhento despertador que me obrigava a levantar para ir para a escola. De manhã, a sonolência apoderava-se de mim, ficava literalmente tipo zombie.

Um dia descobri o prazer da leitura. Ficava, pois, horas a ler histórias de aventuras da minha colecção preferida, antes de ouvir três ou quatro berros do meu pai para apagar a luz. E pronto, lá ia eu de novo para debaixo dos lençóis, num ambiente de escuridão absoluta. Mas mesmo assim, o sono não chegava porque me punha a pensar nos livros que queria ler no dia seguinte. A escrita apareceu pouco tempo depois, e aí é que foram elas! Fingia que ia dormir e sorrateiramente acendia a luz de um candeeiro situado na minha secretária. Ficava a ler, a escrever e a ouvir música no meu rádio de cassetes até ficar com sono. 

O tempo passou e a vontade de dormir cedo tem vindo a ficar cada vez mais escassa. Até posso ter sono quando me deito, mas logo depois ele desaparece e fico com uma sensação vespertina. O que me prejudica gravemente no dia seguinte porque agora sou adulta e preciso mesmo de me levantar cedo...

Resumindo, eu não sei exactamente quais são as causas das minhas insónias, mas sei que as ganhei bem cedo. Se um dia eu descobrir a raiz do problema, talvez seja mais fácil entender como o meu organismo funciona. Acho que esta questão é bastante complexa e varia de pessoa para pessoa. Pode haver até uma predisposição genética para o problema (talvez seja esse o caso). Mas até descobrir porque não tenho sono quando deveria tê-lo, vou continuar com as minhas insónias criativas, já que a minha escrita beneficia com isso!  

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Valorize mais, a Poesia!

Muitos há, que não dão valor à poesia.
Acham que é coisa fútil, vazia.
Andam tão nublados com o dia-a-dia,
que nem são capazes de sentir a energia.

A aliteracia é tão grande! Como uma peste,
que se espalha pela pobre multidão
que se sujeita, cega, à vil servidão
daqueles que detêm o poder do tostão.

Mas tu, sim tu! Que tens coração.
E acreditas no amor e na paixão.
Tu, que colhes flores ao amanhecer
e que te deleitas a ver a lua até amanhecer.

Tu, é que tens esse poder.
De dar à poesia um sentido de dever.
De dar à poesia o valor que ela merecer.
De dar à fantasia um sonho a condizer.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Os peixes

Assam os peixes na brasa
à espera que eu os visite
para dar prazer ao estômago
que já se encontra em despique.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Vencer, ganhar e conseguir!

Eu nasci para vencer,
não para sofrer.

Eu nasci para ganhar.
Só preciso do meu lugar.

Eu nasci para sorrir
e ainda vou conseguir!

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Duas metades, dois caminhos.

Rasguei minha alma ao meio.
Metade ficou do lado de cá,
a outra metade ficou do lado de lá.

E eu fiquei no meio
sem saber
qual das metades devia seguir.

Acho que ainda há tempo
deste rasgo corrigir!...
E decidir, onde realmente quero ficar.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Tentativas fotográficas - A lua


Queridos leitores e amigos da Rainha, apresento-vos a nova rubrica do blogue: Tentativas Fotográficas. Desta vez escolhi como cenário principal, a lua. O que acham da foto acima?

As cores do Sucesso!


Será fome emocional?

Por vezes a fome ataca fora de horas. Fisicamente estamos saciados, mas aquela vontade de mastigar alguma coisa persiste. Então, levantamos-nos e vamos em busca de algo que nos compense o desconforto interior. Já na cozinha, ao olhar os imensos ingredientes guardados nas prateleiras, escolhemos uma coisa ao acaso e saímos dali com a estranha sensação de falta de apetite, mas com vontade de comer. Parece estranho? Parece, mas não é. Comigo costuma acontecer isso quando estou mais ansiosa, ou com alguma questão que preciso de resolver. Será apenas fome emocional?

Arquivo do blogue