Traduza para o seu idioma

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Mudança de Cor - Um toque de paz

Queridos leitores e amigos da Rainha, já devem ter reparado na pequena mudança que fiz no blogue. Pois é, mudei a cor de fundo e fiz algumas alterações. O que acham da mudança? Por vezes as mesmas coisas também cansam não acham? Parece até que a Rainha está mais iluminada! Esta mudança deveu-se a alguns pedidos de alguns leitores. Obrigada por estarem desse lado emitindo soluções para melhorar todos os dias, quer na escrita, quer na imagem que o meu blogue reflete. A todos muito obrigada e espero que gostem desta simples mudança. 

Jovita Capitão.

As Mosqueteiras da Poesia

As Mosqueteiras da Poesia
lutam por um mundo melhor,
em que a escrita seja a Rainha
com todo o seu esplendor.

Condecoradas foram
neste preciso instante,
pela coragem de gigante
e por amor à Poesia.

As Mosqueteiras da Poesia,
são elas as seguintes:
Filomena e Margarida
que estão sempre presentes.

A atenção que detêm
por aquilo que escrevo,
inspira-me a continuar
e pela poesia lutar!

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Dedico este poema às minhas amigas Margarida Castro e Filomena Castro. As Mosqueteiras da Poesia.

A Rainha da Poesia

A Rainha da Poesia
tem o cetro na mão,
ordena que se escreva
quer haja vontade, quer não.

A Rainha da Poesia
fala ao meu coração,
as palavras que melhor
se adaptam ao seu condão.

Porém, a Rainha da Poesia
ensinou-me a lição.
Rainha é a poesia
que sai do meu coração.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

A Poetisa da noite

No acto de poetizar
a poetiza não se esconde.
Liberta no seu olhar
uma ânsia de escrever
e simplesmente responde.

Pode, por ironia, responder
se o coração lhe impuser.
Mas pode deveras derreter
se «amor» alguém lhe der.

A poetisa da noite
rima pela noite fora.
Quer chova, quer não chova,
chovem palavras sem demora.

E a lua espreita
pela sua janela,
enquanto ela escreve
de forma Singela.

A poetiza da noite
não dorme se tiver que escrever.
Pois, sente cá dentro um impulso
que se propaga na ânsia de viver.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

A Natureza depende de todos nós

A Natureza é o nosso chão.
A Terra é o nosso lugar.
A vida é o que então
elas têm para nos dar.

Respirar saúde
não é para qualquer um.
Mas ninguém se ilude.
A Natureza depende de todos nós,
um por um.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

O último Eça - de Miguel Real



Queridos leitores e amigos da Rainha, apresento-vos o " Último Eça", um livro de Miguel Real. Descobri este exemplar numa feira do livro por apenas 3€. Isso mesmo! Um verdadeiro achado. Esta relíquia estava escondida entre outras quantas e chamou-me a atenção por duas razões muito específicas. Primeiro porque sempre me atraíram os grandes Clássicos da Literatura Portuguesa. Segundo, a importância que esta obra têm é definitivamente o seu conteúdo.

Na contracapa podemos ler o seguinte: 

"Portugal que hoje conhecemos é o mesmo que Eça viveu nas décadas de 80 e 90 do século XIX: As instituições como a Justiça, a Educação e a Saúde estão bloqueadas ou são ineficazes, temos uma classe política medíocre, um empresariado especulativo, elites que visam a fama sem o suor do trabalho, um povo que rasteja em Fátima ou ulula em estádios de Futebol. Ler Eça hoje é, por isso, extremamente actual, para além de nos ajudar a suportar a farsa que Portugal se foi tornando, contrariando as promessas da democracia. Mas a verdade é que a generalidade dos críticos classifica o Eça dos últimos anos como um burguês resignado, acomodado e passivo, do que Miguel Real discorda em absoluto. Contrariando assim as teses do Estado Novo e de estudiosos tão diferentes como António Sérgio, Jaime Cortesão ou António José Saraiva, o autor de o Último Eça substitui os adjectivos «resignado», «vencido da vida» ou «passivo» por «humanista», «empenhado», «profundamente sensível e consciente», oferecendo uma visão humanista revolucionária dos últimos anos da vida do grande Escritor Português e sugerindo uma nova periodização e classificação da totalidade da obra de Eça de Queirós."

Esta obra vai complementar os meus estudos Queirosianos, visto que voltei a ler os Maias. É um complemento preciosíssimo. Recomendo!

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

De volta à Escrita

Queridos leitores e amigos da Rainha, cheguei a um ponto de reflexão e a um momento de muitas decisões a respeito do meu futuro. Como muitos sabem a precaridade laboral e o desemprego não param de crescer. É lamentável o que determinadas Empresas fazem só para não terem responsabilidades perante o trabalhador. Assim sendo, e porque nem a minha experiência foi suficiente para mergulhar a longo prazo num projecto por contra de outrem, faço o que o meu coração me diz para fazer. Estou de volta à Escrita! Não que me tivesse separado totalmente, mas porque a coloquei de lado por uns tempos pensando que com o tempo retomava o prazer que ela me transmite. No entanto, a minha estadia na Empresa foi de curta duração e agora pretendo dar o meu máximo àquilo que é de facto a minha vocação. E cá estou eu, de volta à Escrita outra vez! :)

Insónias para quê?

Insónias para quê?
Para escrever pela noite fora.
Para transcrever o que me vai na alma.
Para preencher a madrugada.

Insónias para quê?
Para saborear a vida.
Para encontrar uma saída
para a tormenta terrena.

Insónias para quê?
Para adormecer o sufoco.
Esquecer tudo o que é oco,
aquilo que não tem vida.

Insónias para quê?
Para renovar a esperança
deste coração de criança,
que insiste em sonhar
maravilhas de encantar.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Grito de Coragem!

Num grito de coragem
esqueci o mundo
e tentei escrever
no profundo do meu ser.

No entanto, gritei
para me fazer ouvir.
Não posso temer quem de longe se ri
por não conseguir.

Gritei bem alto,
ao longe, naquele asfalto.
Gritei outra vez
para que ouvissem
e não esquecessem.

Grito de coragem
para que as palavras não morram
para que de esperança se vistam
para que eu possa sorrir outra vez.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Lá vamos nós outra vez

Lá vamos nós outra vez
descobrir o mundo de uma só vez
quer sejam dois quer três
a história é sempre a mesma que vês.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

domingo, 6 de outubro de 2013

Mensagem do dia

Quem me dera ser um pássaro e poder voar pelos céus para bem longe...talvez encontrasse coisas extraordinárias que me fizessem sonhar.

Jovita Capitão.

Arquivo do blogue