Traduza para o seu idioma

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

A Poetisa da noite

No acto de poetizar
a poetiza não se esconde.
Liberta no seu olhar
uma ânsia de escrever
e simplesmente responde.

Pode, por ironia, responder
se o coração lhe impuser.
Mas pode deveras derreter
se «amor» alguém lhe der.

A poetisa da noite
rima pela noite fora.
Quer chova, quer não chova,
chovem palavras sem demora.

E a lua espreita
pela sua janela,
enquanto ela escreve
de forma Singela.

A poetiza da noite
não dorme se tiver que escrever.
Pois, sente cá dentro um impulso
que se propaga na ânsia de viver.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Sem comentários:

Arquivo do blogue