Traduza para o seu idioma

sábado, 20 de dezembro de 2014

Febre poética

Estou quente.
Deliro no escuro
enquanto o sono não vem.
Percorro o olhar na penumbra
mas não vejo ninguém.
Apenas a vontade de poetizar permanece.
Pois, ao deitar meu coração não arrefece.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Sem comentários:

Arquivo do blogue