Traduza para o seu idioma

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas - de Dale Carnegie

Queridos leitores este é um livro que não me agradou pelo título, por isso a princípio rejeitei a leitura. Parecia uma ordem, uma obrigação. Embora saibamos que ter e fazer amigos é algo fascinante, é realmente absurdo sentirmos essa obrigação de alguma forma. Além disso, nunca quis influenciar quem quer que fosse porque abomino todas as formas de controlar os outros.
No entanto, como a curiosidade foi mais forte comecei a ler umas páginas e outras, e depois mais outras e cheguei ao final com a sensação de me ter enganado.
Afinal de contas estava perante um livro magnífico que me ensina as mais diversas formas de agir em diversas situações do cotidiano.
O livro: "Como fazer amigos e influenciar pessoas" ensina-nos a dar maior atenção à forma como falamos com os outros e como reagimos a determinadas situações. Tenho a certeza que quem lê este livro mudará a sua forma de pensar e de agir, para melhor.

Mas atenção, como livro de desenvolvimento pessoal que é, não adianta apenas ler. Se não colocar em prática o que aprende não vai conseguir mudar nada na sua vida. Conheço pessoas que por muito que leiam sobre desenvolvimento pessoal não aprendem. E por quê? Porque não aplicam. Assim, este é mais um daqueles livros para ler passo a passo, capítulo por capítulo meditando e decidindo melhorar os seus tratos com os outros. E atenção não adianta mudar o seu comportamento fora de casa e continuar a ter as mesmas atitudes em casa.  Há que mudar o seu comportamento em todos os sentidos da sua vida. Só assim, aplicando o que aprende diariamente terá sucesso no seu aperfeiçoamento pessoal.

2 comentários:

Fanzine Episódio Cultural disse...

Lágrimas de Areia

Lá estava ela, triste e taciturna.
Testemunha de efêmeros conflitos,
Com um olhar perdido no tempo,
Não exigia nada em troca
A não ser um pouco de atenção.

Sentia-se solitária, oca,
Os homens admiravam-na pelos seus dotes.
As crianças, em sua eterna plenitude,
Admiravam-na muito mais além...
... Mais humana!

De sua profunda melancolia
Lágrimas surgiram.
Elas não umedeceram o seu rosto,
Mas secaram o seu coração,
O poço da alma,
Aumentando cada vez mais
A sua sede.

Lá ela permaneceu; estática, paralisada!
Esperando que o vento do norte a levasse
Para bem longe dali!

O dia começou a desfalecer.
Seu coração, outrora seco e vazio,
Agora pulsava em desenfreada arritmia.
Desespero!
A maré estava subindo...

Em breve voltaria a ser o que era:
Um simples grão de areia.
Quiçá um dia levado pelo vento,
Quiçá um dia... Em um porto seguro.


Do livro (O Anjo e a Tempestade) de Agamenon Troyan

SKYPE: tarokid18
TWITTER: @episodiocultura

Jovita Capitão disse...

Olá Fanzine, bem-vindo! Belo poema :)
Muito obrigada pelo comentário.

Bem haja!
Jovita Capitão.

Arquivo do blogue