Traduza para o seu idioma

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

A inserção da mulher no mercado de trabalho

Queridos leitores, há muito tempo que ansiava escrever sobre este tema. Parece estranho mas é verdade. Ainda existe muita coisa a fazer para estreitar o fosso que existe entre mulheres e homens tanto no mercado laboral como nas tarefas em casa.
foto retirada da internet

Desde sempre que fomos ensinadas pelo conceito de sermos o sexo fraco. No entanto, tudo o que fazemos prova precisamente o contrário. Somos nós que normalmente cuidamos da casa, cozinhamos, cuidamos dos filhos, fazemos-los nascer e crescer. E ainda somos nós que abdicamos dos nossos sonhos e objectivos de vida para nos dedicarmos por completo àquilo a que chamamos de Família.

E o que fazem os homens? Trazem muitas vezes dinheiro para casa, sendo que muitos chegam a casa já sem o dinheiro. Depois ainda discutem com as mulheres com críticas constantes. Dizem que o jantar não está como gostariam, que a casa não está a 100% ou que a mulher está feia, gorda ou velha. Esta é a realidade de muitas famílias. Mas não é sobre isto que estou a falar. Esse é um outro assunto bastante interessante para tratar num outro post.

A realidade é que as mulheres sempre foram descriminadas de alguma forma, principalmente no mercado de trabalho. Sendo que cada vez mais mulheres saem do esteriótipo e vão trabalhar fora de casa. O que faz com que muitos homens se sintam diminuídos e até mesmo prejudicados. Eles têm medo que simples mulheres lhes tirem o lugar. Medo inútil obviamente, porque no que a mulher está realmente interessada é em ter a sua independência e o reconhecimento do seu trabalho. O que todas as mulheres necessitam é de auto-estima e de auto-realização pessoal e profissional.

E por que não inverter os papeis? Por que não ficam os homens uma semana inteira na cozinha, na organização da casa e a cuidar dos filhos enquanto as mulheres trabalham fora? Felizmente alguns já fazem isso. Outros não aguentariam nem um dia. Ainda há, pois, um longo caminho a percorrer neste sentido.

Sem comentários:

Arquivo do blogue