Traduza para o seu idioma

quarta-feira, 30 de abril de 2014

Abismo Sensorial

Cá dentro sinto a turbulência
e o anseio da descrença,
a vontade de pertença,
aquilo que se transforma
numa inútil sentença.

Tornei a fugir à revelia
em torno de algo que sentia,
para que talvez um dia
volte para junto de vós.
Depois de gritar a uma só voz
Aquilo que dói no dia-a-dia.

Sentença doce e fria.
Num contraste sensorial.
Num abismo prisional.
Que me acrescenta azia.

A azia deste dia,
que me tolda o pensamento.
Em que todo o sentimento
se despe de toda a magia
e se transforma em sofrimento.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

2 comentários:

Carlos Cordoeiro disse...

Olá Amiga!

Poema pequeno mas de uma potencialidade fortíssima, por vezes o mais pequeno é o mais intenso mesmo quando falamos de Poesia.

Ás vezes em pouco se diz tanto e de forma tão sentida, quando li este teu poema senti o sabor de cada palavra tua cheguei mesmo a salivar a sério porque tive a sensação que comia realmente o que lia.

És de uma sensibilidade subtil mas ao mesmo tempo forte continua essas palavras tão belas,que remontam a meu ver para mundos de facto de Rainhas e Princesas.

Forte Beijinhos,
Carlos Cordoeiro.

Jovita Capitão disse...

Olá Carlos, agradeço a tua visita e o teu comentário. Surpreendi-me com o teu comentário devido ao facto de teres entendido a mensagem por detrás deste poema. Muito obrigada :) És sempre bem-vindo por aqui!

Beijinhos.

Arquivo do blogue