Traduza para o seu idioma

sábado, 12 de novembro de 2016

Sei que não vou por aí

Queridos leitores e amigos da Rainha, há mudanças que têm de ser feitas. Quando um sapato já não serve, o melhor é deitar fora e arranjar outro que esteja em condições. Não digo isto no sentido literal mas no sentido figurado. Diversas vezes habituamo-nos à mesma rotina de sempre sem pensar se isso nos prejudica de alguma forma. É preciso virar a página do livro quando a história já não faz sentido na nossa vida. Ou mudar de livro. Acontece-me diversas vezes ter vontade de mudar de livro. E aí a história é outra. É preciso ter coragem para mudar tudo. Principalmente se esse tudo só nos faz mal. Desistir, nem sempre é uma palavra negativa. É preciso desistir daquilo que nos prejudica, daquilo que nos faz mal, daquilo que nos faz chorar, daquilo que nos irrita, daquilo que vai contra os nossos valores. Eu estou nessa fase. Aparentemente está tudo bem, mas existe algo cá dentro que me faz chorar, que me faz sentir angustiada, que me faz sentir que não faz sentido continuar por ali.

José Régio tem um poema lindíssimo no qual me revejo hoje.

Cântico Negro

"Vem por aqui" - dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...

A minha glória é esta:
Criar desumanidade!
Não acompanhar ninguém.
- Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe

Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...

Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?

Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...

Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como, pois sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tectos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...

Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém.
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
- Sei que não vou por aí!

Sem comentários:

Arquivo do blogue